Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Alexander Ribeiro
Natural do Rio de Janeiro. É servidor público municipal. Apesar de ser formado em cinema, foi na literatura que encontrou o meio ideal para expressar sua imaginação. Desde criança é fascinado pelo gênero fantástico, em especial, o horror. Artistas de diferentes mídias o influenciaram como Stephen King, H.P. Lovecraft, Neil Gaiman, Alan Moore, Grant Morrison, John Carpenter, Lucio Fulci, Dario Argento e Guilhermo del Toro.







Do Escuro Entre as Estrelas

 De repente estranhou que as criaturas entraram por um caminho coberto de musgo sobre as árvores, musgo aquele que ele nunca havia visto igual. Foi então que percebeu que devia estar na parte inexplorada da floresta… a parte desconhecida. O caminho começava a ficar íngreme agora e eles começaram a descer… então ele olhou pra uma árvore e viu um lagarto enorme, do tamanho de uma criança de 3 anos, algo que o deixou perplexo. Havia sapos de quase um metro … aquele lugar era tão assustador quanto fascinante. 

Eles continuaram a descer, e eis que o caminho foi se alargando e chegaram num local onde havia poucas árvores e no chão haviam vários buracos. O ser que o carregava então, jogou-o no chão a sua frente e emitiu um som agudo pela boca e de repente, varias criaturas semelhantes começaram a sair dos buracos. Eram no mínimo vinte … Glauco agora tinha certeza que seu destino estava traçado.

 A criatura que o carregou pelo caminho, começou a gesticular e a emitir sons grotescos enquanto apontava para ele. Os outros então voltaram seu olhar pra ele e suas bocas rosnavam … era um som ensurdecedor. Glauco levou as mãos aos ouvidos e olhou atrás do ser que se comunicava com os outros. E atrás, acima dele , havia um monte , e em cima desse monte havia algo surpreendente : um disco voador. Era mais ou menos do tamanho de um daqueles barcos de pesca grandes que atravessavam o Rio Amazonas com frequência. Glauco, homem simples que era, nunca acreditou que algo assim existisse, e achava que os filmes e programas que passavam na televisão falando sobre isso, eram pura besteira. Mas agora, vendo aquilo na frente dele, ele tinha certeza que, seja la o que aquelas criaturas fossem, não eram do nosso planeta. E seja de onde aquela espaçonave veio, ela causou mudanças permanentes na fauna daquela região.

 Então, dispostas a vingar seu semelhante morto, elas o cercaram, de tal forma que não havia como ele fugir … ele sabia que não havia muito o que fazer, então fechou seus olhos e aceitou o seu fim. Mas os abriu de novo, quando as criaturas arrancaram seus membros e cada uma devorou um, depois foi a vez de dividirem suas tripas e seus genitais, enquanto ele agonizava ainda vivo. Ate que uma veio e arrancou seu coração e então a sua vida se apagou, como tantas outras vítimas do Mapinguari, ou melhor, dos Mapinguaris … talvez Glauco tenha sido o único que matou um deles e que teve a oportunidade de vê-los todos juntos, e descobrir sua real origem, que eles vieram do escuro entre as estrelas… o que provavelmente nenhum outro ser humano jamais saberá . 

 

                                                

 

 

 

 

–                                                                                          

 

 

 

 

 

 

                                                                                                                                                                                                                                                                 

 

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8

Alexander Ribeiro
Do Escuro Entre as Estrelas

 De repente estranhou que as criaturas entraram por um caminho coberto de musgo sobre as árvores, musgo aquele que ele nunca havia visto igual. Foi então que percebeu que devia estar na parte inexplorada da floresta… a parte desconhecida. O caminho começava a ficar íngreme agora e eles começaram a descer… então ele olhou pra uma árvore e viu um lagarto enorme, do tamanho de uma criança de 3 anos, algo que o deixou perplexo. Havia sapos de quase um metro … aquele lugar era tão assustador quanto fascinante. 

Eles continuaram a descer, e eis que o caminho foi se alargando e chegaram num local onde havia poucas árvores e no chão haviam vários buracos. O ser que o carregava então, jogou-o no chão a sua frente e emitiu um som agudo pela boca e de repente, varias criaturas semelhantes começaram a sair dos buracos. Eram no mínimo vinte … Glauco agora tinha certeza que seu destino estava traçado.

 A criatura que o carregou pelo caminho, começou a gesticular e a emitir sons grotescos enquanto apontava para ele. Os outros então voltaram seu olhar pra ele e suas bocas rosnavam … era um som ensurdecedor. Glauco levou as mãos aos ouvidos e olhou atrás do ser que se comunicava com os outros. E atrás, acima dele , havia um monte , e em cima desse monte havia algo surpreendente : um disco voador. Era mais ou menos do tamanho de um daqueles barcos de pesca grandes que atravessavam o Rio Amazonas com frequência. Glauco, homem simples que era, nunca acreditou que algo assim existisse, e achava que os filmes e programas que passavam na televisão falando sobre isso, eram pura besteira. Mas agora, vendo aquilo na frente dele, ele tinha certeza que, seja la o que aquelas criaturas fossem, não eram do nosso planeta. E seja de onde aquela espaçonave veio, ela causou mudanças permanentes na fauna daquela região.

 Então, dispostas a vingar seu semelhante morto, elas o cercaram, de tal forma que não havia como ele fugir … ele sabia que não havia muito o que fazer, então fechou seus olhos e aceitou o seu fim. Mas os abriu de novo, quando as criaturas arrancaram seus membros e cada uma devorou um, depois foi a vez de dividirem suas tripas e seus genitais, enquanto ele agonizava ainda vivo. Ate que uma veio e arrancou seu coração e então a sua vida se apagou, como tantas outras vítimas do Mapinguari, ou melhor, dos Mapinguaris … talvez Glauco tenha sido o único que matou um deles e que teve a oportunidade de vê-los todos juntos, e descobrir sua real origem, que eles vieram do escuro entre as estrelas… o que provavelmente nenhum outro ser humano jamais saberá . 

 

                                                

 

 

 

 

–                                                                                          

 

 

 

 

 

 

                                                                                                                                                                                                                                                                 

 

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8