Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Cannubis
Cannubis é natural de São Luís Ma mas agora vive perdida entre as vielas fétidas de sua mente sequelada. Odeia finais felizes e por isso vive embriagada de terror e de seus subgêneros, vomita na cara dos padrões impostos pela sociedade enquanto da vida a CANNUBiS seu filho, irmão e amante. Dirige pela periferia de São luis um Opala preto e tem como companhia o top five dos mais procurados do submundo, coleciona as capsulas de balas que mataram gente como kennedy, Jhon Lennon e Tupac... Foi depois de tomar um shot de bournon que ela emprestou suas mãos a um cão infernal para escrever “DEIXAI TODA ESPERANÇA, Ó VÓS QUE ENTRAIS!" no umbral dos portões infernais da comedia de Dante Alighieri. Quer um conselho? Não leiam com carinho pois aqui não se prega a paz. Como morbitvs vividvs diz: "Uma bandeira branca é como o pus de um ser putrefato".
@arj.Wanessa - instagram
@CANNUBiS.cg - wattpad







Gatinha Test

O cursor pisca na tela do notebook enquanto a mão aperta o botão do mouse, diante do computador Helidone observa inexpressivo.

Até que uma foto monocromática carregada de efeitos surge, um sorriso áspero corta os lábios exibindo dentes amarelados pelo excesso de nicotina.

O interior do quarto em que estava era tão estéril como uma sala de operações, cheio de ângulos retos, superfícies transparentes, aço reluzente, vidro, impessoal de mais.

As fotos da garota deslizam na tela do computador da direta para a esquerda, a cada foto um novo detalhe é registrado no banco de dados de uma mente doentia.

Botões de uma blusa curta que hoje em dia chamam de cropped lhe encaram inquisidores e orgulhosos por guardarem um belo par de seios de pele ebúrnea.

“Alice Whinchester. Ela/dela” era a única coisa escrita na mini biografia de seu perfil. Se ela soubesse o peso daquele sobrenome não o usaria apenas para proclamar seu fanatismo por uma série de TV, e com peitos daquele tamanho a especificação do pronome era mero capricho.

Um click, dois segundos. Match!

Uma janela pop-up surge no canto inferior da da interface, dedos curtos com cutículas inflamadas atacam o teclado digitando noite a dentro com pequenas pausas para acender cigarros.

Várias outras conversas bloqueadas por enquanto, o mundo cinza chumbo de Helidone voltado apenas para Alice Winchester e seu belo par de seios que a esta altura já estavam desnudos salvos em uma pasta só dela, Gatinha test 67.

Páginas: 1 2 3 4 5 6

Cannubis
Gatinha Test

O cursor pisca na tela do notebook enquanto a mão aperta o botão do mouse, diante do computador Helidone observa inexpressivo.

Até que uma foto monocromática carregada de efeitos surge, um sorriso áspero corta os lábios exibindo dentes amarelados pelo excesso de nicotina.

O interior do quarto em que estava era tão estéril como uma sala de operações, cheio de ângulos retos, superfícies transparentes, aço reluzente, vidro, impessoal de mais.

As fotos da garota deslizam na tela do computador da direta para a esquerda, a cada foto um novo detalhe é registrado no banco de dados de uma mente doentia.

Botões de uma blusa curta que hoje em dia chamam de cropped lhe encaram inquisidores e orgulhosos por guardarem um belo par de seios de pele ebúrnea.

“Alice Whinchester. Ela/dela” era a única coisa escrita na mini biografia de seu perfil. Se ela soubesse o peso daquele sobrenome não o usaria apenas para proclamar seu fanatismo por uma série de TV, e com peitos daquele tamanho a especificação do pronome era mero capricho.

Um click, dois segundos. Match!

Uma janela pop-up surge no canto inferior da da interface, dedos curtos com cutículas inflamadas atacam o teclado digitando noite a dentro com pequenas pausas para acender cigarros.

Várias outras conversas bloqueadas por enquanto, o mundo cinza chumbo de Helidone voltado apenas para Alice Winchester e seu belo par de seios que a esta altura já estavam desnudos salvos em uma pasta só dela, Gatinha test 67.

Páginas: 1 2 3 4 5 6