Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Cannubis
Cannubis é natural de São Luís Ma mas agora vive perdida entre as vielas fétidas de sua mente sequelada. Odeia finais felizes e por isso vive embriagada de terror e de seus subgêneros, vomita na cara dos padrões impostos pela sociedade enquanto da vida a CANNUBiS seu filho, irmão e amante. Dirige pela periferia de São luis um Opala preto e tem como companhia o top five dos mais procurados do submundo, coleciona as capsulas de balas que mataram gente como kennedy, Jhon Lennon e Tupac... Foi depois de tomar um shot de bournon que ela emprestou suas mãos a um cão infernal para escrever “DEIXAI TODA ESPERANÇA, Ó VÓS QUE ENTRAIS!" no umbral dos portões infernais da comedia de Dante Alighieri. Quer um conselho? Não leiam com carinho pois aqui não se prega a paz. Como morbitvs vividvs diz: "Uma bandeira branca é como o pus de um ser putrefato".
@arj.Wanessa - instagram
@CANNUBiS.cg - wattpad







Gatinha Test

O reconhecimento mútuo de outrora voltara a acontecer… Alice percebia o rosto maduro a sua frente ocultando-se por vergonha, como se aquela mente fosse assaltada por lembranças humilhantes.

O olhar de piedade foi inevitável. Pobre homem confuso. Parece ele, o virgem.

Sem tempo para frases de efeito. O corpo franzino da garota sede com um soco bem no meio da cara e Helidone se dá conta de que os óculos de Alice não eram exatamente a prova de impacto.

De punhos fechados, Helidone golpeia a figura embaixo dele até que as mãos levantadas que protegiam o rosto caíram e o próprio rosto era uma ferida aberta e sangrenta.

Os dentes de Alice chocando-se contra a parte de dentro das faces atravessaram a carne até sair pela pele, ferindo as mãos de Helidone.

Sem tempo para procurar algo que servisse como arma ele chuta a garota desmaiada. O peso de seu corpo comprimindo os músculos, amassando a carne até entrar em contato com os ossos.

Chutando várias vezes nas costas, nos ombros e na espinha mesmo sem nenhuma reação da vítima.

Aquela sensação. A morte por suas mãos e intenção era como a fisgada brusca seguida de um arrepio, uma ferida magoada.

Mas era bom.

Abriu a calça e penetrou-a, as mãos ensanguentadas segurando firme o corpo dela junto ao chão, para que aguentasse suas estocadas.

Uma, duas, três.

Páginas: 1 2 3 4 5 6

Cannubis
Gatinha Test

O reconhecimento mútuo de outrora voltara a acontecer… Alice percebia o rosto maduro a sua frente ocultando-se por vergonha, como se aquela mente fosse assaltada por lembranças humilhantes.

O olhar de piedade foi inevitável. Pobre homem confuso. Parece ele, o virgem.

Sem tempo para frases de efeito. O corpo franzino da garota sede com um soco bem no meio da cara e Helidone se dá conta de que os óculos de Alice não eram exatamente a prova de impacto.

De punhos fechados, Helidone golpeia a figura embaixo dele até que as mãos levantadas que protegiam o rosto caíram e o próprio rosto era uma ferida aberta e sangrenta.

Os dentes de Alice chocando-se contra a parte de dentro das faces atravessaram a carne até sair pela pele, ferindo as mãos de Helidone.

Sem tempo para procurar algo que servisse como arma ele chuta a garota desmaiada. O peso de seu corpo comprimindo os músculos, amassando a carne até entrar em contato com os ossos.

Chutando várias vezes nas costas, nos ombros e na espinha mesmo sem nenhuma reação da vítima.

Aquela sensação. A morte por suas mãos e intenção era como a fisgada brusca seguida de um arrepio, uma ferida magoada.

Mas era bom.

Abriu a calça e penetrou-a, as mãos ensanguentadas segurando firme o corpo dela junto ao chão, para que aguentasse suas estocadas.

Uma, duas, três.

Páginas: 1 2 3 4 5 6