Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Cannubis
Cannubis é natural de São Luís Ma mas agora vive perdida entre as vielas fétidas de sua mente sequelada. Odeia finais felizes e por isso vive embriagada de terror e de seus subgêneros, vomita na cara dos padrões impostos pela sociedade enquanto da vida a CANNUBiS seu filho, irmão e amante. Dirige pela periferia de São luis um Opala preto e tem como companhia o top five dos mais procurados do submundo, coleciona as capsulas de balas que mataram gente como kennedy, Jhon Lennon e Tupac... Foi depois de tomar um shot de bournon que ela emprestou suas mãos a um cão infernal para escrever “DEIXAI TODA ESPERANÇA, Ó VÓS QUE ENTRAIS!" no umbral dos portões infernais da comedia de Dante Alighieri. Quer um conselho? Não leiam com carinho pois aqui não se prega a paz. Como morbitvs vividvs diz: "Uma bandeira branca é como o pus de um ser putrefato".
@arj.Wanessa - instagram
@CANNUBiS.cg - wattpad







Por todas as vezes que eu não te comi

Helidone desce do carro em frente ao bar, acende um cigarro. A fumaça lacera asperamente seus pulmões provocando uma tosse seca, jurou que ia parar mas as circunstâncias permitem uma quebra de promessas.

O famoso “até que a morte os separe” durou ate Helidone descobrir que Tânia, sua esposa, havia engravidado.

A desculpa de que a rotina desgasta a relação não se aplicava a esse casal. Piqueniques no jardim, jantares supresa, presentes de aniversário e de casamento, viagens; todos os itens do

combo “casal perfeito”.

Ou quase todos…

O que faltava era justamente as fagulhas geradas pelo atrito. Sim, faltava fogo. Faltava sexo. Pílulas azuis, verdes, encarnadas, caldo de piranha, consultas regulares ao urologista e até uma simpatia ensinada por um pai de santo. Nada funcionava, os paises baixos de Helidone estavam para sempre afundados em uma terrível era do gelo.

Tânia, academia três vezes por semana, chá fit, iogurtes diet, bunda de comercial de cerveja, merecedora do homem perfeito mas casada com um anjo eunuco.

Anjos não dão no couro, anjos não fodem com força, anjos não fazem filhos, anjos não tem qualquer serventia a menos que sejam expulsos da eterna monotonia do paraíso.

Por outro lado. Ângelo, gerente da empresa Elo, nome de anjo mas porte de demônio que substitui Lúcifer nas reuniões mais importantes do inferno.

Seja pela influência ou pelo charme obsceno, sempre havia uma ” amiga” nova na garupa de sua Harley Davidson.

>>>>>>>>>>

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8

Cannubis
Por todas as vezes que eu não te comi

Helidone desce do carro em frente ao bar, acende um cigarro. A fumaça lacera asperamente seus pulmões provocando uma tosse seca, jurou que ia parar mas as circunstâncias permitem uma quebra de promessas.

O famoso “até que a morte os separe” durou ate Helidone descobrir que Tânia, sua esposa, havia engravidado.

A desculpa de que a rotina desgasta a relação não se aplicava a esse casal. Piqueniques no jardim, jantares supresa, presentes de aniversário e de casamento, viagens; todos os itens do

combo “casal perfeito”.

Ou quase todos…

O que faltava era justamente as fagulhas geradas pelo atrito. Sim, faltava fogo. Faltava sexo. Pílulas azuis, verdes, encarnadas, caldo de piranha, consultas regulares ao urologista e até uma simpatia ensinada por um pai de santo. Nada funcionava, os paises baixos de Helidone estavam para sempre afundados em uma terrível era do gelo.

Tânia, academia três vezes por semana, chá fit, iogurtes diet, bunda de comercial de cerveja, merecedora do homem perfeito mas casada com um anjo eunuco.

Anjos não dão no couro, anjos não fodem com força, anjos não fazem filhos, anjos não tem qualquer serventia a menos que sejam expulsos da eterna monotonia do paraíso.

Por outro lado. Ângelo, gerente da empresa Elo, nome de anjo mas porte de demônio que substitui Lúcifer nas reuniões mais importantes do inferno.

Seja pela influência ou pelo charme obsceno, sempre havia uma ” amiga” nova na garupa de sua Harley Davidson.

>>>>>>>>>>

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8