Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Carli Bortolanza
Sou um apaixonado, poeta e louco.
Perpasso entre as metáforas, aforismos e linguagens subliminares.
Da beleza ingênua e pura a feiura nua e crua. Da macies da face à macies da decomposição da carne humana. Vida e ou morte, carícias e ou torturas, são apenas pontos de vistas, vistas de um ponto. A beleza está na cerca que cerca, mas que também pode ser acerca que os prende. Nada é o que parece ser, há sempre um elo perdido nas linguagens ocultas que devem lhe fazer pensar nos conceitos das palavras descritas, pois elas não são o simples, o imediato do que estás a ler. Aprofunda-se, pois não escrevo aos outros, escrevo para orientar o EU obscuro de meu ente, escondido no inconsciente de minhas palavras, afrouxando minha gosma cefálica e dado lugar aos sonhos despertos, revelando minhas insanidades lisérgicas nos caminhos turvos dessa incompreensão desforme e não humana.




Baile de despedida

E não andei muito para encontrar um grupo de oito moças, eram de uma beleza impar e tão semelhantes uma das outras que poderiam ser irmãs óctuplos se não fosse à variação das cores naturais tanto dos cabelos quando da pele. De albina a negra. Intercalando com um ruivo pelo meio. Mas não se olhava uma somente, olhavam-se as oito em conjunto e que davam uma sensação de déjà vu.

O comprimento longo do cabelo era tão igual, que ressaltava as bundas logo abaixo do seu término; assim como igualmente exatas em tamanho e formas, os maravilhosos e fartos seios. Por um instante pensei em escolher qual delas convidar, mas ali, com aqueles peitões, qualquer uma servia. E o porquê eu fui escolher logo uma do centro para convidar pra dançar não sei, mas só foi convidar uma delas que as demais me cercaram, me deixando perplexo, pois nem sabia dizer se aquilo era ruim ou não, mas dançando agarrado com uma e todas as demais abraçando-nos, eu conseguia sentir não somente aqueles peitões à minha frente, mas uns no ombro direito, outros no esquerdo, nas costas; no queijo… …e logo parecia que eu estava de joelhos com dezesseis seios me apertando e me fazendo sentir falta de ar o que para desmaiar e apagar não demorou muito.

E o que era um sonho, (casar e não envelhecer sozinho ou seria sonho as 08 lindas mulheres dançando abraçadas em mim?). Havia se tornado um pesadelo, pois meu falo foi cortado fora deixando um buraco em seu lugar, deixando o canal na urina aberto.

Hoje tenho que erguer o saco, e enfia-lo na abertura pra que eu não fique urinando a toda hora descontroladamente.

O pacto ou o que de fato aconteceu naquela noite infernal, quem era aquelas mulheres? Onde está o jovem milionário com seu carrão? De onde ou por que surgiu de repente a tempestade? Quem eram aquelas oito maravilhosas peitudas? O que aconteceu comigo depois que desmaiei? Como cortaram meu pênis fora? Eu não sei responder e nem quero saber.

Só tenho interesse em saber onde está aquela cigana desgraçada que ao ler minha mão me amaldiçoou dizendo que vou envelhecer sozinho, mas sozinho, não, pois me casarei com ela e grudar-me-ei nela para sempre.

Páginas: 1 2

Carli Bortolanza
Baile de despedida

E não andei muito para encontrar um grupo de oito moças, eram de uma beleza impar e tão semelhantes uma das outras que poderiam ser irmãs óctuplos se não fosse à variação das cores naturais tanto dos cabelos quando da pele. De albina a negra. Intercalando com um ruivo pelo meio. Mas não se olhava uma somente, olhavam-se as oito em conjunto e que davam uma sensação de déjà vu.

O comprimento longo do cabelo era tão igual, que ressaltava as bundas logo abaixo do seu término; assim como igualmente exatas em tamanho e formas, os maravilhosos e fartos seios. Por um instante pensei em escolher qual delas convidar, mas ali, com aqueles peitões, qualquer uma servia. E o porquê eu fui escolher logo uma do centro para convidar pra dançar não sei, mas só foi convidar uma delas que as demais me cercaram, me deixando perplexo, pois nem sabia dizer se aquilo era ruim ou não, mas dançando agarrado com uma e todas as demais abraçando-nos, eu conseguia sentir não somente aqueles peitões à minha frente, mas uns no ombro direito, outros no esquerdo, nas costas; no queijo… …e logo parecia que eu estava de joelhos com dezesseis seios me apertando e me fazendo sentir falta de ar o que para desmaiar e apagar não demorou muito.

E o que era um sonho, (casar e não envelhecer sozinho ou seria sonho as 08 lindas mulheres dançando abraçadas em mim?). Havia se tornado um pesadelo, pois meu falo foi cortado fora deixando um buraco em seu lugar, deixando o canal na urina aberto.

Hoje tenho que erguer o saco, e enfia-lo na abertura pra que eu não fique urinando a toda hora descontroladamente.

O pacto ou o que de fato aconteceu naquela noite infernal, quem era aquelas mulheres? Onde está o jovem milionário com seu carrão? De onde ou por que surgiu de repente a tempestade? Quem eram aquelas oito maravilhosas peitudas? O que aconteceu comigo depois que desmaiei? Como cortaram meu pênis fora? Eu não sei responder e nem quero saber.

Só tenho interesse em saber onde está aquela cigana desgraçada que ao ler minha mão me amaldiçoou dizendo que vou envelhecer sozinho, mas sozinho, não, pois me casarei com ela e grudar-me-ei nela para sempre.

Páginas: 1 2