Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
E. B. Toniolli
Sou um contador de histórias.
Desde que tenho consiência de minha existência conto histórias.
Sou péssimo com nomes e rostos e a vida das pessoas não me atrai, mas as suas histórias sim.
Cada dia uma nova história, com suas banalidades, com suas expectativas, frustrações, seus sonhos, medos...
Me agrada o caos presente na ordem e a ordem sistemática presente no caos.
E assim levo a vida: entre extremos de crenças e crença nenhuma, entre a criação do novo e a reciclagem do bem e do mau, do belo e do feio.
Entre os diversos meios de retratar a vida, de criar conceitos em empresa, de vender esperanças na harmonia das coisas e das pessoas.
E assim levo a vida, contando histórias.

E-mail: toniolli@gmail.com
Facebook: facebook.com/ebtoniolli




Os dias que o tempo guardou

Era um pé de jabuticaba?
Ou era uma figueira?
Onde nos conhecemos
Onde falamos de nossa vida
Onde nos descobrimos
Onde nos apaixonamos?

Foi num dia de sol?
Ou estava nublado?
Me lembro de um brisa suave
Que fazia teus cabelos dançarem
E do cheiro das flores.
Eram do campo ou teu perfume?

Você queria ser médica?
Ou só queria ajudar as pessoas?
Lembro de seu coração grande
Que se preocupava com o mundo todo
Lembra que seu maior sonho
É que nunca faltasse pão em nenhuma mesa?

Lembra das minhas histórias?
Lembra das aventuras que dizia ter vivido?
Você sabia que eram mentiras.
Contos de sonhos e aspirações
Lembra que em todas você estava
E que em todas havia um final feliz?

Ah, as lembranças. Como era lindo esse vale!
Hoje não existem mais árvores
Hoje o cheiro é de lixo e degradação
Hoje o egoismo impera e os sonhos morreram
Hoje as aventuras são produtos descartáveis

Ah, as lembranças. Como éramos felizes!
Hoje me recordo que a muito você se foi
Hoje a solidão me acompanha todos os dias
Hoje a saudade ainda me faz sorrir
Hoje voltei a esse lugar, como faço a 80 anos.

E. B. Toniolli
Os dias que o tempo guardou

Era um pé de jabuticaba?
Ou era uma figueira?
Onde nos conhecemos
Onde falamos de nossa vida
Onde nos descobrimos
Onde nos apaixonamos?

Foi num dia de sol?
Ou estava nublado?
Me lembro de um brisa suave
Que fazia teus cabelos dançarem
E do cheiro das flores.
Eram do campo ou teu perfume?

Você queria ser médica?
Ou só queria ajudar as pessoas?
Lembro de seu coração grande
Que se preocupava com o mundo todo
Lembra que seu maior sonho
É que nunca faltasse pão em nenhuma mesa?

Lembra das minhas histórias?
Lembra das aventuras que dizia ter vivido?
Você sabia que eram mentiras.
Contos de sonhos e aspirações
Lembra que em todas você estava
E que em todas havia um final feliz?

Ah, as lembranças. Como era lindo esse vale!
Hoje não existem mais árvores
Hoje o cheiro é de lixo e degradação
Hoje o egoismo impera e os sonhos morreram
Hoje as aventuras são produtos descartáveis

Ah, as lembranças. Como éramos felizes!
Hoje me recordo que a muito você se foi
Hoje a solidão me acompanha todos os dias
Hoje a saudade ainda me faz sorrir
Hoje voltei a esse lugar, como faço a 80 anos.