Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Gisele Honorato
Gisele Honorato, 34 anos, nasceu em Vila Velha no Espírito Santo e participou de várias coletâneas literárias, sendo as mais recentes:
Ultra Rômanticos, Góticos & Trágicos Poemas (2020) pela Dark Books;
Sangue e Água Benta (2020) pelo Grupo Editorial Quimera;
Noites Arcanas (2020) pela Dríade Editora;
A Maldição da Lua Cheia (2021) pela Cartola Editora e
Witch (2021) pela Amazon pela Come in Handy.










A Promessa

Era Halloween e eu tinha bebido mais do que devia, mas tinha tempo que não saia com meus amigos e me permiti aproveitar, afinal de contas, com a faculdade e o trabalho, eram raras as ocasiões em que podíamos nos divertir sem preocupações. Normalmente em dias assim, a nossa conversa se estendia até o amanhecer, mas dessa vez resolvi sair mais cedo.
Depois de dizer adeus aos meus amigos eu comecei a caminhar pelas ruas desertas para minha casa, no entanto, depois de alguns minutos, eu vi uma linda mulher caminhando sozinha, eu achei muito estranho, por-que já estava tarde, e usando como desculpa o fato de que eu não co-nhecia bem o lugar. Nesse ponto, eu tenho que dizer que, embora eu saiba perfeitamente bem que isso era bobagem, sua beleza me cativou tanto que eu teria feito qualquer coisa para encontra-la. Ela gentilmente respondeu a pergunta que fiz, então eu me arrisquei a perguntar o nome dela e ela me disse que se chamava Patrícia. Então eu lhe perguntei por que ela estava fora de sua casa naquela hora, ela disse que era o único dia que podia dar uma volta e não se sentir “presa”, vendo a tristeza em seu rosto bonito ao dizer estas palavras, eu não coloquei mais ênfase ao assunto, não querendo perturbar a mulher mais linda que eu já tinha visto na minha vida. Eu perguntei se havia um lugar onde pudéssemos conversar tranquilamente, Patrícia me disse que há três quadras de onde estávamos, encontraríamos um pequeno parque que ela usava para ir pensar. Uma vez no parque ela compartilhou comigo o que a estava inco-modando, era a teimosia de sua mãe tentando torna la mais sociável e incentivando a sair, algo que ela não gosta , porque é uma pessoa mais reservada e introvertida por natureza, e disse ainda que não entendia como estava conseguindo se abrir comigo.
Ao falar isso ela me olhou nos olhos e me abraçou com força. Assim eu percebi que ela estava congelando, apesar de toda aquela da roupa, um vestindo em estilo conservador e bem elegante, que com certeza usou numa festa de Halloween, mas eu não quis perguntar, afinal de contas ela não teceu comentários sobre a minha fantasia idiota de Pirata. En-tão, eu ofereci minha jaqueta, meio relutante ela aceitou. Depois de um tempo conversando sobre várias coisas, eu me ofereci para leva la para
casa, ela relutou um pouco novamente, mas aceitou quando disse que a acompanharia somente até a entrada, Patrícia me disse que se seus pais me vissem teria muitos problemas. Embora eu não gostasse nada da ideia de deixa la sozinha por um segundo sequer, mas aceitei seu pe-dido, não querendo que ela tivesse problemas por causa de mim. Antes de deixar o local ela me surpreendeu perguntando se poderíamos nos encontrar novamente, eu disse a ela que poderia ser quando ela qui-sesse, ou no outro dia, se não tive nenhum problema. Em seguida, ela sorriu e disse que parecia perfeito, eu acrescentei que era uma pro-messa e não iria esquecer.

Páginas: 1 2 3

Gisele Honorato
A Promessa

Era Halloween e eu tinha bebido mais do que devia, mas tinha tempo que não saia com meus amigos e me permiti aproveitar, afinal de contas, com a faculdade e o trabalho, eram raras as ocasiões em que podíamos nos divertir sem preocupações. Normalmente em dias assim, a nossa conversa se estendia até o amanhecer, mas dessa vez resolvi sair mais cedo.
Depois de dizer adeus aos meus amigos eu comecei a caminhar pelas ruas desertas para minha casa, no entanto, depois de alguns minutos, eu vi uma linda mulher caminhando sozinha, eu achei muito estranho, por-que já estava tarde, e usando como desculpa o fato de que eu não co-nhecia bem o lugar. Nesse ponto, eu tenho que dizer que, embora eu saiba perfeitamente bem que isso era bobagem, sua beleza me cativou tanto que eu teria feito qualquer coisa para encontra-la. Ela gentilmente respondeu a pergunta que fiz, então eu me arrisquei a perguntar o nome dela e ela me disse que se chamava Patrícia. Então eu lhe perguntei por que ela estava fora de sua casa naquela hora, ela disse que era o único dia que podia dar uma volta e não se sentir “presa”, vendo a tristeza em seu rosto bonito ao dizer estas palavras, eu não coloquei mais ênfase ao assunto, não querendo perturbar a mulher mais linda que eu já tinha visto na minha vida. Eu perguntei se havia um lugar onde pudéssemos conversar tranquilamente, Patrícia me disse que há três quadras de onde estávamos, encontraríamos um pequeno parque que ela usava para ir pensar. Uma vez no parque ela compartilhou comigo o que a estava inco-modando, era a teimosia de sua mãe tentando torna la mais sociável e incentivando a sair, algo que ela não gosta , porque é uma pessoa mais reservada e introvertida por natureza, e disse ainda que não entendia como estava conseguindo se abrir comigo.
Ao falar isso ela me olhou nos olhos e me abraçou com força. Assim eu percebi que ela estava congelando, apesar de toda aquela da roupa, um vestindo em estilo conservador e bem elegante, que com certeza usou numa festa de Halloween, mas eu não quis perguntar, afinal de contas ela não teceu comentários sobre a minha fantasia idiota de Pirata. En-tão, eu ofereci minha jaqueta, meio relutante ela aceitou. Depois de um tempo conversando sobre várias coisas, eu me ofereci para leva la para
casa, ela relutou um pouco novamente, mas aceitou quando disse que a acompanharia somente até a entrada, Patrícia me disse que se seus pais me vissem teria muitos problemas. Embora eu não gostasse nada da ideia de deixa la sozinha por um segundo sequer, mas aceitei seu pe-dido, não querendo que ela tivesse problemas por causa de mim. Antes de deixar o local ela me surpreendeu perguntando se poderíamos nos encontrar novamente, eu disse a ela que poderia ser quando ela qui-sesse, ou no outro dia, se não tive nenhum problema. Em seguida, ela sorriu e disse que parecia perfeito, eu acrescentei que era uma pro-messa e não iria esquecer.

Páginas: 1 2 3