Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Hügo Mendigo
Em 1984, ao pseudo fim da ditadura no Brasil, na cidadezinha rural de Gravataí nascia mais um Mendigo, o Hügo. Parece um clichê dizer "escrever para não enlouquecer" mas foi sim sua psicóloga que recomendou os registros turvos de sua vida. Visões urbanas e alcoolizadas, mulheres e teorias da conspiração povoam esses manuscritos virtuais, sempre assinados como Nadal Goulart. Metalúrgico, pai e um monte de outras coisas que não precisam ser ditas por que ninguem perguntou.





Adolescência… a minha

Conheci gente nova
Meninas novas
E umas velhas repaginadas
Entendi o q eram drogas, apesar de não usar
Conheci as bandas q me tornaram o q sou hoje
Virou o século e tudo estava igual, vagamente melhor
Eu tinha banda e mesmo assim não atraia garotas
As torres gêmeas caíram e o recesso econômico mundial quase tira o emprego do meu pai outra vez
Beijei aos 16
Ela era gorda como previa mas tinha um rosto muito lindo e olhos brilhantes (isso foi surpresa)
Depois de uns meses transei (com outra, q era amiga da primeira)
Final do ano “acabamos” e fim do sexo
Fiquei mais de um ano sem sexo
Namorei e desnamorei nesse tempo
Eu era legal ao ponto de não pressionar ela p transar…q babaca…
Cortei o cabelo p trabalhar, escondia as já 4 tatuagens e consegui um fixo q pagava super bem p nada q eu tive anos antes
Passando dos meus 18 descobri o sexo de verdade, seguido, repetitivo e melado como deve ser
Hoje pensando, tudo era horrível e sombrio, sem previsão de q um dia melhoraria
Mas vejo q aquela criança de cara redonda e bochechas rosadas q eu pensei q tivesse morrido dentro de mim estava segurando um mundo de fantasias p me salvar da realidade cruel e nem me dava conta
No final… Foi tudo muito bom, tudo a seu tempo e essas bobagens
Nunca fui nostálgico, mas revendo… Até q poderia ser bem pior
Não acho toda essa desgraça ruim. Acho até boa
Hoje vejo q se não fosse isso, ou seria um playboy ou mesmo um pobre mas esnobe, q não da valor as coisas
Tinha tudo p ser assim e não fui, ao menos penso não ser
No final, tudo deu certo.
Bom dia.

Páginas: 1 2 3 4 5

Hügo Mendigo
Adolescência… a minha

Conheci gente nova
Meninas novas
E umas velhas repaginadas
Entendi o q eram drogas, apesar de não usar
Conheci as bandas q me tornaram o q sou hoje
Virou o século e tudo estava igual, vagamente melhor
Eu tinha banda e mesmo assim não atraia garotas
As torres gêmeas caíram e o recesso econômico mundial quase tira o emprego do meu pai outra vez
Beijei aos 16
Ela era gorda como previa mas tinha um rosto muito lindo e olhos brilhantes (isso foi surpresa)
Depois de uns meses transei (com outra, q era amiga da primeira)
Final do ano “acabamos” e fim do sexo
Fiquei mais de um ano sem sexo
Namorei e desnamorei nesse tempo
Eu era legal ao ponto de não pressionar ela p transar…q babaca…
Cortei o cabelo p trabalhar, escondia as já 4 tatuagens e consegui um fixo q pagava super bem p nada q eu tive anos antes
Passando dos meus 18 descobri o sexo de verdade, seguido, repetitivo e melado como deve ser
Hoje pensando, tudo era horrível e sombrio, sem previsão de q um dia melhoraria
Mas vejo q aquela criança de cara redonda e bochechas rosadas q eu pensei q tivesse morrido dentro de mim estava segurando um mundo de fantasias p me salvar da realidade cruel e nem me dava conta
No final… Foi tudo muito bom, tudo a seu tempo e essas bobagens
Nunca fui nostálgico, mas revendo… Até q poderia ser bem pior
Não acho toda essa desgraça ruim. Acho até boa
Hoje vejo q se não fosse isso, ou seria um playboy ou mesmo um pobre mas esnobe, q não da valor as coisas
Tinha tudo p ser assim e não fui, ao menos penso não ser
No final, tudo deu certo.
Bom dia.

Páginas: 1 2 3 4 5