Ainda me surpreendendo - Hugo Mendigo
Hügo Mendigo
Em 1984, ao pseudo fim da ditadura no Brasil, na cidadezinha rural de Gravataí nascia mais um Mendigo, o Hügo. Parece um clichê dizer "escrever para não enlouquecer" mas foi sim sua psicóloga que recomendou os registros turvos de sua vida. Visões urbanas e alcoolizadas, mulheres e teorias da conspiração povoam esses manuscritos virtuais, sempre assinados como Nadal Goulart. Metalúrgico, pai e um monte de outras coisas que não precisam ser ditas por que ninguem perguntou.





Ainda me surpreendendo

Chegamos na minha casa
No meu quarto na casa dos meus pais
Mesma casa que um dia fora dos meus avós
A casa está bem velha e deteriorada
Meu quarto se divide entre um cômodo isolado no meio da casa e a garagem
Tinham mais umas latas na geladeira
Bebemos mais umas e começamos a nos pegar
Depois dos 2 estarem sem roupas
Ela me puxava pelas bolas
Me puxava forte na direção dela
Como se convocasse minha masculinidade pra ser dela
Ela dominou a situação totalmente
Eu deitei e ela se encaixou por cima
Mandava na situação
Montou e fez comigo o que quis
Os movimentos na intensidade e velocidade que ela quis
Era delicioso
Eu me senti o brinquedo dela, ali deitado imóvel e ela fazendo tudo sozinha
Meu único trabalho era deixar o pau firme entranhado nela
Ela se molhava toda e seguia
Eu sentia o mel dela escorrer pelas minhas bolas até as dobras da minha bunda
Era um líquido bem grosso e quente
Ela tinha carnes fartas, logo sentia que ela suava com tanto trabalho
Ela seguiu até que gozou tão forte que quase mascou meu pau dentro dela
Eu senti que ela cansou e se aliviou com isso
Se jogou do meu lado

Páginas: 1 2 3 4 5

Hügo Mendigo
Ainda me surpreendendo

Chegamos na minha casa
No meu quarto na casa dos meus pais
Mesma casa que um dia fora dos meus avós
A casa está bem velha e deteriorada
Meu quarto se divide entre um cômodo isolado no meio da casa e a garagem
Tinham mais umas latas na geladeira
Bebemos mais umas e começamos a nos pegar
Depois dos 2 estarem sem roupas
Ela me puxava pelas bolas
Me puxava forte na direção dela
Como se convocasse minha masculinidade pra ser dela
Ela dominou a situação totalmente
Eu deitei e ela se encaixou por cima
Mandava na situação
Montou e fez comigo o que quis
Os movimentos na intensidade e velocidade que ela quis
Era delicioso
Eu me senti o brinquedo dela, ali deitado imóvel e ela fazendo tudo sozinha
Meu único trabalho era deixar o pau firme entranhado nela
Ela se molhava toda e seguia
Eu sentia o mel dela escorrer pelas minhas bolas até as dobras da minha bunda
Era um líquido bem grosso e quente
Ela tinha carnes fartas, logo sentia que ela suava com tanto trabalho
Ela seguiu até que gozou tão forte que quase mascou meu pau dentro dela
Eu senti que ela cansou e se aliviou com isso
Se jogou do meu lado

Páginas: 1 2 3 4 5