Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
J. A. de Nardo
João decidiu dar vida aos seus mórbidos pesadelos e compartilhar feitos e devaneios nada memoráveis com o público. 
O medo, o estranho e o cotidiano banal são as suas inspirações para a escrita. Escreve como uma forma de canalizar seus sentimentos, da forma mais clichê possível. 
Se perde em pensamento abstratos e overdoses filosóficas, crê que o horror é um universo a ser explorado, e o pavor é o sentimento mais puro a ser sentido. Se perde também em alguns pseudônimos para poder escrever o que há de mais bizarro em si, não gosta muito de mostrar o rosto para não perturbar os leitores, usa máscaras como referência ao baile de máscaras do plano físico. 
Diretor da Revista Aterrorizante e autor de algumas obras em conjunto e originais nada comuns, sempre terror com doses de perturbação e humor negro.
Sua conquista mais memorável foi um concurso de poesias quando tinha 10 anos, desde então vem colecionando fracassos e insucessos. Muitas vezes confundido com um demônio sem função na terra, transita entre funções aleatórias, como um traficante de inutilidades ou vendedor de ideias natimortas. 
Email: Jaoanm@gmail.com 
Instagram: @joaodenardo






Um Psicopata

 

Me dirijo ao trabalho 20 minutos para as sete da matina, sei exatamente por quantos semáforos irei passar e quantos segundos ficarei parado no trânsito, tudo isso me fará chegar às 6:55 no escritório onde sou associado, assim baterei ponto e cumprimentarei a todos no corredor.

Na minha sala, tudo é muito bem organizado. Já que passo 8 horas por dia lá, tenho que manter tudo nos conformes.

Em uma mesa de madeira maciça se encontra minha agenda completamente negra, onde anoto meus afazeres. Ao seu lado, uma caneca onde tomo meu café todos os dias e um porta retrato de uma das minhas inúmeras viagens ao redor do globo. Claro que existe uma biblioteca imensas de livros ao meu lado, é neles que consulto coisas necessárias ao invés de usar a Internet. Tenho apenas um notebook, uso apenas para responder emails necessários, fora isso acho a tecnologia uma bobagem e perda de tempo. Quando não se há muito trabalho a fazer, uso meu escritório como academia, e adianto meus exercícios diários para manter meu corpo escultural.

 

Outra diversão dos meus dias é assistir filmes de terror, pelo menos um, diariamente, onde tiro referências e crio obras, desenhar e pintar é um passatempo para mim, e os faço após realizar todos meus exercícios.

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7

J. A. de Nardo
Um Psicopata

 

Me dirijo ao trabalho 20 minutos para as sete da matina, sei exatamente por quantos semáforos irei passar e quantos segundos ficarei parado no trânsito, tudo isso me fará chegar às 6:55 no escritório onde sou associado, assim baterei ponto e cumprimentarei a todos no corredor.

Na minha sala, tudo é muito bem organizado. Já que passo 8 horas por dia lá, tenho que manter tudo nos conformes.

Em uma mesa de madeira maciça se encontra minha agenda completamente negra, onde anoto meus afazeres. Ao seu lado, uma caneca onde tomo meu café todos os dias e um porta retrato de uma das minhas inúmeras viagens ao redor do globo. Claro que existe uma biblioteca imensas de livros ao meu lado, é neles que consulto coisas necessárias ao invés de usar a Internet. Tenho apenas um notebook, uso apenas para responder emails necessários, fora isso acho a tecnologia uma bobagem e perda de tempo. Quando não se há muito trabalho a fazer, uso meu escritório como academia, e adianto meus exercícios diários para manter meu corpo escultural.

 

Outra diversão dos meus dias é assistir filmes de terror, pelo menos um, diariamente, onde tiro referências e crio obras, desenhar e pintar é um passatempo para mim, e os faço após realizar todos meus exercícios.

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7