Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Jeane Tertuliano
Jeane Tertuliano é feminista, poeta, ativista cultural, letróloga, comendadora das artes literárias no Brasil pela Ordem Scriptorium e doutora honoris causa em Literatura pelo Centro Sarmathiano de Altos Estudos Filosóficos e Históricos. 2ª Secretária da Academia Internacional Mulheres das Letras (AIML), membro associada à União Brasileira de Escritores (UBE); acadêmica imortal da Academia Independente de Letras (AIL); membro fundadora da Academia de Artes e Letras Internacional da Baixada Fluminense e Brasil (AALIBB); acadêmica nacional de grande honra da Federação Brasileira dos Acadêmicos das Ciências, Letras e Artes (Febacla); membro da Academia Internacional de Literatura Brasileira (AILB). Autora dos livros (In)sanidade Lírica (2020) e Desnudar do Eu (2021), prefaciadora, coautora em cerca de quarenta antologias e organizadora de nove projetos antológicos. É amante das artes e, tratando-se de literatura, tem como inspiração Hilda Hilst, Clarice Lispector e Edgar Allan Poe. Faz parte dos coletivos "Corvo Literário" e "Maldohorror". Personalidade Cultural do Ano, foi selecionada no Prêmio Internacional Mulheres das Letras (2020 e 2021), no Grande Prêmio Internacional de Literatura Machado de Assis, no 4º Concurso de Poesias - Prêmio Cecília Meireles, no Prêmio Alma de Poeta e no Prêmio e Exposição Sou Mulher Poesia. Atualmente, reside em Campo Alegre, Alagoas.







A IRA DE AMON

De costas para o quintal, sinto um intenso baforar açoitar a minha retaguarda. Um mau cheiro de putrefação inunda o ar e sou automaticamente acometida por ânsia de vômito. Ergo a mão à maçaneta, mas ela está há cerca de dois metros de distância. Sem mais delongas, adentro a casa e apresso-me em fechar a porta, latidos estridentes preenchem todas e quaisquer lacunas existentes no meu maldito lar. Maldição! A droga da porta não quer fechar! Continuo empurrando-a inutilmente em meio ao caos. Trovões, pingueiras e latidos sem fim, isso certamente poderia endoidecer até mesmo a pessoa mais sã do universo. Olho para baixo com o intuito de descobrir o empecilho e lá está ele: uma pata canina gigante! Devo alucinar, sussurro de mim para mim mesma. Concentro toda a minha força e piso na pata, e há uma explosão de ganidos terrificantes ao mesmo tempo que a porta foi aberta estrondosamente, jogando-me no chão ferozmente. Um ser hediondo saltou em cima de mim, me pressionando contra o chão com uma força monumental. Sufocando, clamo fracamente por misericórdia. A criatura me olha atentamente com seus olhos raivosos e antes de eu sussurrar mais uma prece em vão, ela vocifera num timbre de voz gutural: eu não sou obrigado a ser misericordioso com você! Risadas e berros medonhos perfuram os meus tímpanos enquanto sou conduzida à funesta inconsciência.

Páginas: 1 2 3

Jeane Tertuliano
A IRA DE AMON

De costas para o quintal, sinto um intenso baforar açoitar a minha retaguarda. Um mau cheiro de putrefação inunda o ar e sou automaticamente acometida por ânsia de vômito. Ergo a mão à maçaneta, mas ela está há cerca de dois metros de distância. Sem mais delongas, adentro a casa e apresso-me em fechar a porta, latidos estridentes preenchem todas e quaisquer lacunas existentes no meu maldito lar. Maldição! A droga da porta não quer fechar! Continuo empurrando-a inutilmente em meio ao caos. Trovões, pingueiras e latidos sem fim, isso certamente poderia endoidecer até mesmo a pessoa mais sã do universo. Olho para baixo com o intuito de descobrir o empecilho e lá está ele: uma pata canina gigante! Devo alucinar, sussurro de mim para mim mesma. Concentro toda a minha força e piso na pata, e há uma explosão de ganidos terrificantes ao mesmo tempo que a porta foi aberta estrondosamente, jogando-me no chão ferozmente. Um ser hediondo saltou em cima de mim, me pressionando contra o chão com uma força monumental. Sufocando, clamo fracamente por misericórdia. A criatura me olha atentamente com seus olhos raivosos e antes de eu sussurrar mais uma prece em vão, ela vocifera num timbre de voz gutural: eu não sou obrigado a ser misericordioso com você! Risadas e berros medonhos perfuram os meus tímpanos enquanto sou conduzida à funesta inconsciência.

Páginas: 1 2 3