Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Jeane Tertuliano
Jeane Tertuliano é feminista, poeta, ativista cultural, letróloga, comendadora das artes literárias no Brasil pela Ordem Scriptorium e doutora honoris causa em Literatura pelo Centro Sarmathiano de Altos Estudos Filosóficos e Históricos. 2ª Secretária da Academia Internacional Mulheres das Letras (AIML), membro associada à União Brasileira de Escritores (UBE); acadêmica imortal da Academia Independente de Letras (AIL); membro fundadora da Academia de Artes e Letras Internacional da Baixada Fluminense e Brasil (AALIBB); acadêmica nacional de grande honra da Federação Brasileira dos Acadêmicos das Ciências, Letras e Artes (Febacla); membro da Academia Internacional de Literatura Brasileira (AILB). Autora dos livros (In)sanidade Lírica (2020) e Desnudar do Eu (2021), prefaciadora, coautora em cerca de quarenta antologias e organizadora de nove projetos antológicos. É amante das artes e, tratando-se de literatura, tem como inspiração Hilda Hilst, Clarice Lispector e Edgar Allan Poe. Faz parte dos coletivos "Corvo Literário" e "Maldohorror". Personalidade Cultural do Ano, foi selecionada no Prêmio Internacional Mulheres das Letras (2020 e 2021), no Grande Prêmio Internacional de Literatura Machado de Assis, no 4º Concurso de Poesias - Prêmio Cecília Meireles, no Prêmio Alma de Poeta e no Prêmio e Exposição Sou Mulher Poesia. Atualmente, reside em Campo Alegre, Alagoas.







REMINISCÊNCIA

Eu vagueio sem sair do lugar enquanto observo uma garota a brincar com o seu gato negro. Do alto do meu ser, eu avisto uma criança a correr, sorrindo bobamente… fecho os olhos e tento fazer com que essa sensação nostálgica evapore, pois nada é real no que vejo. Um ser pueril não pode se divertir de tal maneira estando emocionalmente em frangalhos. Deixando as janelas entreabertas, caminho até a minha cama e sento-me na beirada. Pesco Os Sofrimentos do Jovem Werther na cabeceira e o folheio; lágrimas lavam as minhas bochechas róseas enquanto me demoro no seguinte trecho:

“Por que tem de ser assim? Por que o que faz o homem feliz pode tornar-se a fonte de sua dor?”

Por quê?! — ouço a minha voz chorosa encher o recinto de melancolia. Passos se fazem ouvir do outro lado da porta e, apesar de o som ser demasiado reconfortante aos meus ouvidos, eu anseio fervorosamente não mais escutá-los. Deposito Goethe no seu devido lugar e rumo à porta, mas um tremor repentino me engolfa e me faz recuar, aflita. “Mantenha o controle, por favor” — suplico para o meu alter ego. Abraço-me e caminho de costas por tempo indeterminado, submersa em meus devaneios.

Eu gostaria de poder aprisionar os meus demônios e buscar viver como uma moça normal, sã; mas sempre que ouso fazê-lo, sinto-me posta do avesso, suspensa por garras que dilaceram minha pele lívida, ameaçando jogar-me em um abismo lúgubre, hediondo. Ainda trêmula, viro-me e encaro a manhã. Estagno com a cena inacreditável que se desenrola diante dos meus olhos vítreos. O céu que anteriormente estava anil, agora não mais pode ser visto, pois há nuvens que o revestem de um negror mórbido. A garota que estava a brincar com um bichano de pelos da cor de azeviche, está curvada sobre uma pequena poça escarlate, onde há uma massa disforme. Seu vestido longo e volumoso me impede de obter mais claridade no que vejo, mas em sua mão pequenina eu enxergo com perfeição um martelo mediano, pingos rubros escorrem do cabo e deslizam vagarosamente sobre os dedos finos da criança até irem de encontro ao chão. Num rompante, a cabeça da miúda gira em minha direção. Olhos repletos de trevas olham para além do meu ser como se pudessem enxergar o meu âmago.

Por um mísero instante, ouvi os batimentos desgovernados do meu coração irromperem em meus tímpanos, e o desespero que ameaçara se aproximar de mim toca-me os pulmões, deixando-me a sufocar. Agonizando, busco convulsivamente pelas fechaduras das janelas. Para o meu pavor, antes de eu conseguir trancá-las, vislumbro a ausência da garota lá fora.

Páginas: 1 2

Jeane Tertuliano
REMINISCÊNCIA

Eu vagueio sem sair do lugar enquanto observo uma garota a brincar com o seu gato negro. Do alto do meu ser, eu avisto uma criança a correr, sorrindo bobamente… fecho os olhos e tento fazer com que essa sensação nostálgica evapore, pois nada é real no que vejo. Um ser pueril não pode se divertir de tal maneira estando emocionalmente em frangalhos. Deixando as janelas entreabertas, caminho até a minha cama e sento-me na beirada. Pesco Os Sofrimentos do Jovem Werther na cabeceira e o folheio; lágrimas lavam as minhas bochechas róseas enquanto me demoro no seguinte trecho:

“Por que tem de ser assim? Por que o que faz o homem feliz pode tornar-se a fonte de sua dor?”

Por quê?! — ouço a minha voz chorosa encher o recinto de melancolia. Passos se fazem ouvir do outro lado da porta e, apesar de o som ser demasiado reconfortante aos meus ouvidos, eu anseio fervorosamente não mais escutá-los. Deposito Goethe no seu devido lugar e rumo à porta, mas um tremor repentino me engolfa e me faz recuar, aflita. “Mantenha o controle, por favor” — suplico para o meu alter ego. Abraço-me e caminho de costas por tempo indeterminado, submersa em meus devaneios.

Eu gostaria de poder aprisionar os meus demônios e buscar viver como uma moça normal, sã; mas sempre que ouso fazê-lo, sinto-me posta do avesso, suspensa por garras que dilaceram minha pele lívida, ameaçando jogar-me em um abismo lúgubre, hediondo. Ainda trêmula, viro-me e encaro a manhã. Estagno com a cena inacreditável que se desenrola diante dos meus olhos vítreos. O céu que anteriormente estava anil, agora não mais pode ser visto, pois há nuvens que o revestem de um negror mórbido. A garota que estava a brincar com um bichano de pelos da cor de azeviche, está curvada sobre uma pequena poça escarlate, onde há uma massa disforme. Seu vestido longo e volumoso me impede de obter mais claridade no que vejo, mas em sua mão pequenina eu enxergo com perfeição um martelo mediano, pingos rubros escorrem do cabo e deslizam vagarosamente sobre os dedos finos da criança até irem de encontro ao chão. Num rompante, a cabeça da miúda gira em minha direção. Olhos repletos de trevas olham para além do meu ser como se pudessem enxergar o meu âmago.

Por um mísero instante, ouvi os batimentos desgovernados do meu coração irromperem em meus tímpanos, e o desespero que ameaçara se aproximar de mim toca-me os pulmões, deixando-me a sufocar. Agonizando, busco convulsivamente pelas fechaduras das janelas. Para o meu pavor, antes de eu conseguir trancá-las, vislumbro a ausência da garota lá fora.

Páginas: 1 2