Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Marvyn Castilho
Marvyn Castilho, refugo alvitre de um lúrido homem, inumado no vetusto e lúbrico olhar da marafona do tempo. Integrante de algumas academias literárias no Brasil, membro da Academia de Letras y Artes de Valparaíso – Chile e do Núcleo de Letras e Artes de Buenos Aires – Argentina. Outrossim, idealizador e membro do projeto literomusical Vanitas e organizador das antologias "Ultrarromânticos, Góticos e Trágicos Poemas" e "Poetas Malditos Contemporâneos", pela editora Dark books.






Quando o amor se vai

A duas almas viúvas.

 

Não sei por que ainda choro?

Se, eu sei que você não vem,

Seu amor em vão eu imploro,

E você está no além.

 

Não sei por que ainda choro?

Se o amor acabou!

E eu canto em coro,

A saudade que me tocou.

 

Minh’ alma virou um mausoléu,

E tenho na face lágrimas como véu,

Deito meu amor, em um escuro carneiro.

 

Eu Ofélia esquecida no amor,

Em uma terrível e grande dor,

Não sei por que ainda choro?

 

Marvyn Castilho
Quando o amor se vai

A duas almas viúvas.

 

Não sei por que ainda choro?

Se, eu sei que você não vem,

Seu amor em vão eu imploro,

E você está no além.

 

Não sei por que ainda choro?

Se o amor acabou!

E eu canto em coro,

A saudade que me tocou.

 

Minh’ alma virou um mausoléu,

E tenho na face lágrimas como véu,

Deito meu amor, em um escuro carneiro.

 

Eu Ofélia esquecida no amor,

Em uma terrível e grande dor,

Não sei por que ainda choro?