Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Mattüs
Mattüs – besta do submundo das antiartes e agitos psicoquímicos - é uma aberração natural de Palmeira dos Índios (AL) e habita o underground maceioense há mais de uma década. A figura surgiu na literatura através do universo dos fanzines, sendo editor do grotesco zine marginal “Spermental” (2006-2013), “O Novo Pagão”, “Histórias pra Belzebu Dormir” e colaborador dezenas de outros zines com malucos de todo o país. Em 2016, lançou “O Beco das Almas Famintas” pela Livrinho de Papel Finíssimo Editora, a obra é um romance recheado de fábulas escatológicas que deram origem à “massacrelândia tropical” em que suas histórias pútridas são ambientadas: neste livro-inferno são abertas as portas da Cidade Sereia, uma pequenina metrópole sanguinária que odeia os miseráveis e está disfarçada de Califórnia brasileira, um reino de caos, diversão e destruição persiste, tornando-se um dos temas chave na narrativa de “A Febre do Infinito” (2018), segundo romance do autor.
O monstro também é roteirista/produtor da degenerada “Scoria Filmes”, produtora filmes trash/experimentais nascida há mais de uma década e com cerca de 10 trabalhos; dentre eles, os curtas “Psychodemia” (2009), “O Panorama da Carne” (2013) e o média metragem “Surf Kaeté” (2015). Não satisfeito em destruir a dignidade da literatura e do cinema, Mattüs ainda participa do projeto antimusical “Power of The Nóia”, antibanda que carrega quase uma dezena de lançamentos recheados de insucessos.




30m²

Não abro mão de carne humana por nada neste mundo. Adoro cortar bifes grandes e bem temperados para serem fritos na chapa. Pelo menos três vezes ao dia. A carne de algumas vítimas tem os benzodiazepínicos da bebida e acabo dormindo bastante após cada saborosa refeição. Comer, escrever e dormir são os atos cristalizados que sustentam minha rotina. Não vejo tanta necessidade de passar tanto tempo acordado, ganho dinheiro automaticamente, o montante gera juros que mantém uma vida de classe média para um sujeito com pouco mais de 50 anos com cara de 40, tudo graças a grande descoberta que exercícios aeróbicos combinados com maconha e carne humana resultam numa série de efeitos rejuvenescedores. Esportes, churrasco e drogas é o segredo da juventude eterna!

Volto ao meu catálogo de doenças, gosto de esquistossomose e leptospirose, queria ter uma filha chamada Leishmaniose e me chamar Gonococo ou Peste, este último faria eu me sentir um Cavaleiro do Apocalipse. De vez em quando, acordo me coçando com algum tipo de abcesso cutâneo causado por candidíase crônica ou algum tipo de inflamação granulomatosa, em dias assim, passo horas espremendo pus de espinhas suculentas para obter efêmeros prazeres através da dor. A secreção amarelada gelatinosa tem cheiro bom e sabor salgado. No rádio, só trovões e barulho de água corrente.

A alegria é um sentimento medíocre até fazer minha primeira refeição. Churrasco com fritas sempre, tudo acompanhado de exercícios e baseado. Achei um canal online com aulas infinitas de ginástica. Tudo ia bem até aparecerem as notícias da chuva e todos os programas eram interrompidos por anúncios com notícias da chuva, não se podia malhar solitário em frente à televisão por meia hora sem interrupções de algum holograma de um repórter ensopado saltando da tela da televisão ou celular com notícias da chuva. Perdi a tara no mundo fitness, desde então, a barriga cresceu e os fungos tomaram conta de parte de minhas unhas e axilas, o que me salva são os banhos quase contínuos. Jogo água sanitária por todo o corpo para matar as bicheiras. Cinco minutos depois, ligo o chuveiro e curto deixar a água escorrer bastante até me sentir um estorvo ao planeta. Desperdício sempre foi meu forte a começar por minha própria vida.

Páginas: 1 2 3 4 5

Mattüs
30m²

Não abro mão de carne humana por nada neste mundo. Adoro cortar bifes grandes e bem temperados para serem fritos na chapa. Pelo menos três vezes ao dia. A carne de algumas vítimas tem os benzodiazepínicos da bebida e acabo dormindo bastante após cada saborosa refeição. Comer, escrever e dormir são os atos cristalizados que sustentam minha rotina. Não vejo tanta necessidade de passar tanto tempo acordado, ganho dinheiro automaticamente, o montante gera juros que mantém uma vida de classe média para um sujeito com pouco mais de 50 anos com cara de 40, tudo graças a grande descoberta que exercícios aeróbicos combinados com maconha e carne humana resultam numa série de efeitos rejuvenescedores. Esportes, churrasco e drogas é o segredo da juventude eterna!

Volto ao meu catálogo de doenças, gosto de esquistossomose e leptospirose, queria ter uma filha chamada Leishmaniose e me chamar Gonococo ou Peste, este último faria eu me sentir um Cavaleiro do Apocalipse. De vez em quando, acordo me coçando com algum tipo de abcesso cutâneo causado por candidíase crônica ou algum tipo de inflamação granulomatosa, em dias assim, passo horas espremendo pus de espinhas suculentas para obter efêmeros prazeres através da dor. A secreção amarelada gelatinosa tem cheiro bom e sabor salgado. No rádio, só trovões e barulho de água corrente.

A alegria é um sentimento medíocre até fazer minha primeira refeição. Churrasco com fritas sempre, tudo acompanhado de exercícios e baseado. Achei um canal online com aulas infinitas de ginástica. Tudo ia bem até aparecerem as notícias da chuva e todos os programas eram interrompidos por anúncios com notícias da chuva, não se podia malhar solitário em frente à televisão por meia hora sem interrupções de algum holograma de um repórter ensopado saltando da tela da televisão ou celular com notícias da chuva. Perdi a tara no mundo fitness, desde então, a barriga cresceu e os fungos tomaram conta de parte de minhas unhas e axilas, o que me salva são os banhos quase contínuos. Jogo água sanitária por todo o corpo para matar as bicheiras. Cinco minutos depois, ligo o chuveiro e curto deixar a água escorrer bastante até me sentir um estorvo ao planeta. Desperdício sempre foi meu forte a começar por minha própria vida.

Páginas: 1 2 3 4 5