Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Mattüs
Mattüs – besta do submundo das antiartes e agitos psicoquímicos - é uma aberração natural de Palmeira dos Índios (AL) e habita o underground maceioense há mais de uma década. A figura surgiu na literatura através do universo dos fanzines, sendo editor do grotesco zine marginal “Spermental” (2006-2013), “O Novo Pagão”, “Histórias pra Belzebu Dormir” e colaborador dezenas de outros zines com malucos de todo o país. Em 2016, lançou “O Beco das Almas Famintas” pela Livrinho de Papel Finíssimo Editora, a obra é um romance recheado de fábulas escatológicas que deram origem à “massacrelândia tropical” em que suas histórias pútridas são ambientadas: neste livro-inferno são abertas as portas da Cidade Sereia, uma pequenina metrópole sanguinária que odeia os miseráveis e está disfarçada de Califórnia brasileira, um reino de caos, diversão e destruição persiste, tornando-se um dos temas chave na narrativa de “A Febre do Infinito” (2018), segundo romance do autor.
O monstro também é roteirista/produtor da degenerada “Scoria Filmes”, produtora filmes trash/experimentais nascida há mais de uma década e com cerca de 10 trabalhos; dentre eles, os curtas “Psychodemia” (2009), “O Panorama da Carne” (2013) e o média metragem “Surf Kaeté” (2015). Não satisfeito em destruir a dignidade da literatura e do cinema, Mattüs ainda participa do projeto antimusical “Power of The Nóia”, antibanda que carrega quase uma dezena de lançamentos recheados de insucessos.




Obliterado (Sociopata Blues II)

Thomas não imaginava que fosse abrir os olhos, mas abriu. Era de manhã e o mais estranho: seu corpo estava completo. Mas algo realmente ruim havia acontecido. Tommy não reconhecia a si mesmo, não se lembrava de nada. Havia apagado toda sua vida. Esqueceu até de mim, seu criador! Em sua cabeça só o sonho e reflexões. Um passado atirado aos bueiros do mundo. Olhou no celular e eram sete da manhã de uma segunda-feira. Foi até a janela do apartamento e gritou forte:
– Heyyy! Vocês estão me ouvindo? Heyyy!!
Algumas janelas se abriram exibindo rostos assustados em busca da razão de tanto incômodo. Pensou que a verdade doía demais dentro de si. Precisava expulsar seu demônio e resolveu dar um último depoimento para o mundo:
– Querem saber? Nunca mais! Entenderam? Nunca Mais!
Tommy pulou da janela do quinto andar. Fazia pouco sol naquela manhã…

 

 

Páginas: 1 2 3 4

Mattüs
Obliterado (Sociopata Blues II)

Thomas não imaginava que fosse abrir os olhos, mas abriu. Era de manhã e o mais estranho: seu corpo estava completo. Mas algo realmente ruim havia acontecido. Tommy não reconhecia a si mesmo, não se lembrava de nada. Havia apagado toda sua vida. Esqueceu até de mim, seu criador! Em sua cabeça só o sonho e reflexões. Um passado atirado aos bueiros do mundo. Olhou no celular e eram sete da manhã de uma segunda-feira. Foi até a janela do apartamento e gritou forte:
– Heyyy! Vocês estão me ouvindo? Heyyy!!
Algumas janelas se abriram exibindo rostos assustados em busca da razão de tanto incômodo. Pensou que a verdade doía demais dentro de si. Precisava expulsar seu demônio e resolveu dar um último depoimento para o mundo:
– Querem saber? Nunca mais! Entenderam? Nunca Mais!
Tommy pulou da janela do quinto andar. Fazia pouco sol naquela manhã…

 

 

Páginas: 1 2 3 4