Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Poebos Abel
Poebos Abel é um leitor voraz de Literatura, Filosofia e Ciência. Cultiva o gosto pela poesia desde tenra idade, sendo um leitor ávido e entusiasta dos grandes poetas da língua portuguesa. Quando não está às voltas com a ciência e a filosofia, lê e faz poemas. Não cultiva gosto e estima pela métrica, pois pensa que ela limita e suprime o pensar e o dizer do poeta, mas nutre intensa devoção e carinho pela graciosa rima, por isso sua poesia é rimada e desmedida.

E-mail:phisikys@gmail.com







Poema Fragmentado

Recuso-me a ingerir este sórdido sobejo!

Afasta de mim este insano asco desejo

Que corrompe as minhas entranhas

E faz-me vomitar coisas estranhas!

 

Creio que eu seja um louco!

Talvez eu seja uma insanidade

Ou ainda uma ambígua atrocidade!

Confesso! Sou tudo isto e mais um pouco!

 

Eu não creio em sorte

E nem em vida após a morte!

Eu sou um completo cético

E creio apenas no mundo quântico!

 

Eu sou o Anticristo

Que veio após Cristo

Anunciar o Apocalipse

Que principia com o Eclipse!

 

Oh estúpida raça!

Corja insana e baça!

Quem pensa que sois vós

Para querer julgar a nós?!

Poebos Abel
Poema Fragmentado

Recuso-me a ingerir este sórdido sobejo!

Afasta de mim este insano asco desejo

Que corrompe as minhas entranhas

E faz-me vomitar coisas estranhas!

 

Creio que eu seja um louco!

Talvez eu seja uma insanidade

Ou ainda uma ambígua atrocidade!

Confesso! Sou tudo isto e mais um pouco!

 

Eu não creio em sorte

E nem em vida após a morte!

Eu sou um completo cético

E creio apenas no mundo quântico!

 

Eu sou o Anticristo

Que veio após Cristo

Anunciar o Apocalipse

Que principia com o Eclipse!

 

Oh estúpida raça!

Corja insana e baça!

Quem pensa que sois vós

Para querer julgar a nós?!