Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Wender Lucas Fernandes
É um feto abandonado no esgoto, no dia 17 de Julho, com fortes sustâncias tóxicas correndo nas veias, e um incondicional desejo pelo fim do mundo. Morrendo na infernal cidade de Palmeira dos Índios- AL, Wender é perseguido por influências de Charles Bukowski, Augusto dos Anjos e historias de trancoso ouvidas nas mesas de consumo alcoólico. Sem deus, sem limites e sem futuro, Wender vomita seus pensamentos podres em textos medíocres, feitos para debilitados e moribundos sem esperança.





Família Tradicional- Parte 02

Parente rico a gente mima e beija,

Parente pobre a gente chuta e xinga;

No almoço de domingo falamos mal do vizinho moribundo,

E com muito orgulho, nos denominamos família.

 

Um pai nosso para cada refeição,

Vai na missa pra se dizer bom cidadão;

Apoia fascista pra mostrar que se tem respeito,

Cheira coca pelo cu e com orgulho bate no peito.

 

Os velhos beatos pagam de santos respeitados,

Após todos os tipos de drogas terem usado;

Insistem que no tempo deles não existia “isso”,

Porque na época eles faziam tudo escondido.

 

Fazem o sinal da cruz ao cruzar uma igreja,

Acreditam de verdade que algum santo os proteja;

Não passam de uns vagabundos atrasalado,

E ainda agradecem todos os dias ao nazareno bastardo.

Wender Lucas Fernandes
Família Tradicional- Parte 02

Parente rico a gente mima e beija,

Parente pobre a gente chuta e xinga;

No almoço de domingo falamos mal do vizinho moribundo,

E com muito orgulho, nos denominamos família.

 

Um pai nosso para cada refeição,

Vai na missa pra se dizer bom cidadão;

Apoia fascista pra mostrar que se tem respeito,

Cheira coca pelo cu e com orgulho bate no peito.

 

Os velhos beatos pagam de santos respeitados,

Após todos os tipos de drogas terem usado;

Insistem que no tempo deles não existia “isso”,

Porque na época eles faziam tudo escondido.

 

Fazem o sinal da cruz ao cruzar uma igreja,

Acreditam de verdade que algum santo os proteja;

Não passam de uns vagabundos atrasalado,

E ainda agradecem todos os dias ao nazareno bastardo.