Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Wender Lucas Fernandes
Humano podre, escritor maldito e alcoólatra degenerado. Moro na infernal cidade de Palmeira dos Índios- AL, escrevo desde 2014, meus companheiros de porre são Augusto dos Anjos (que me ensinou a necessidade inevitável que o homem tem de ser fera, diante dessa sociedade doentia e acabada) Charles Bukowski (Que me ensinou que o pior problema que um homem pode ter, é estar sóbrio) e Thoreau (Que me ensinou a desconfiar de qualquer atividade que requeira roupa nova). Casado com a insanidade, amante da tosqueira e inimigo da sociedade,tento passar alguns pensamentos aleatórios para um pedaço de papel.





Requeiro a Morte Igual um Santo Requer Reza

Requeiro a morte como um santo requer reza

Aprecio a desgraça como uma obra benéfica

 O conforto tóxico toma conta de toda a minha alma

E a desesperança crônica mergulha sobre meu ser

 

Teu sangue escorre ao abrir-lhe a cabeça sem dó

Enforco em tuas tripas formadas em nó

Com uma bala na cabeça estoura os miolos

E os restos cefálicos jogados aos porcos

 

Quebrar os ossos ao cair do 10° andar

Apedrejar-te até dilacerar tua face

Esquartejar-te até não existir mais membros

Empalar e expor teu corpo ao relento

 

Os mais belos espetáculos surgem na desgraça

A morte com seu brilho revela sua verdadeira arte

Na vida a única certeza que temos é essa

E por isso eu a quero igual um santo quer sua reza.

Wender Lucas Fernandes
Requeiro a Morte Igual um Santo Requer Reza

Requeiro a morte como um santo requer reza

Aprecio a desgraça como uma obra benéfica

 O conforto tóxico toma conta de toda a minha alma

E a desesperança crônica mergulha sobre meu ser

 

Teu sangue escorre ao abrir-lhe a cabeça sem dó

Enforco em tuas tripas formadas em nó

Com uma bala na cabeça estoura os miolos

E os restos cefálicos jogados aos porcos

 

Quebrar os ossos ao cair do 10° andar

Apedrejar-te até dilacerar tua face

Esquartejar-te até não existir mais membros

Empalar e expor teu corpo ao relento

 

Os mais belos espetáculos surgem na desgraça

A morte com seu brilho revela sua verdadeira arte

Na vida a única certeza que temos é essa

E por isso eu a quero igual um santo quer sua reza.