Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
William Fontana
Pseudônimo de Gerson M.A. fotógrafo, contista, novelista, ensaísta, teólogo, filósofo e pedagogo por formação. Portador da Síndrome de Aspeger com dupla excepcionalidade, superdotado (Qi 163) e cristão, trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, com fotos publicadas em jornais cariocas. Posteriormente trabalhou na Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica), UBE (União Brasileira de Escritores) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), escreveu artigos para a Revista Somnium, teve mais 35 contos selecionados e publicados na Revista Litera, site Maldohorror, Primeiro Capítulo, Conexão Literatura, Creepypasta Brasil, Revista Literomancia, nas antologias Arte do Terror, Mirage, Nemephile, assim como autor da semana com artigos de destaque na Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tendo os contos 'O Poço' (2017) e ‘Inominável do Além’ (2018) e 'Império de Tendor' (2019) selecionado como um dos melhores de seus respectivos anos pela revisa Litera Livre. Tem 30 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Ed. Multifoco).






A Grande loja de Pesadelos Fatais

Daniel Ribeiro com suas credenciais capitais adentrou o recinto orientado ao desdém daqueles autistas embebidos no sono perpétuo até que o último sopro de humanidade fosse sugado, mesmo que por um momento ele tenha fraquejado ao fitar os olhos de um dos autistas se moverem num estado REM prolongado produzido por doses cavalares de drogas experimentais sem licença de uso comercial.

— Aqui, meus amigos, nesse limbo estagnante que as mentes desses pobres diabos trabalham 24 horas por dia para lhes trazerem prazeres e sensações nunca experimentadas pela humanidade. A exploração sistematizada dos universos mentais tem trazido avanços sem precedentes a ciência mental e onírica que permite ter o apoio não oficial de organizações governamentais que não possuem meios legais para o exercício experimental e científico aqui realizado.

— Agora compreendemos o motivo pelo qual as autoridades nunca os prendem. — Comentou Daniel fitando as fileiras de autistas presos em leitos verticais com plugs ligados na cabeça.

— Sim, amigos, a corrupção também é progresso! Mesmo os críticos do nazismo se fizeram valer das descobertas feitas pelos inescrupulosos cientistas nazistas em seus experimentos as custas da vida de miseráveis inúteis como esses! A maldade é a coragem de fazer o que tem que ser feito para conseguir descobertas e fazer o que nunca fizeram, o preço que esses pobres diabos pagam pela nossa gloria!

Ao finalizar aquelas palavras emolduradas por um sorriso sádico o homem parecia orgulhoso dos crimes lá feitos quando Daniel notou que os plugs iam até a coluna e o reto das vítimas por cabos que penetravam de modo cruel cada orifício natural ou não em seus corpos.

— Antes que pergunte, fique sabendo que influências feitas no intestino provam estes serem como um segundo cérebro a influenciar e potencializar as experiências de imersão cerebral onírica. Potencializadas pelo oneirocronos estamos acessando limites além realidade de horizonte no que acreditamos ser sonhos do futuro, uma fonte de dimensão mental do qual alguns acreditam ser a origem da vidência e profecias. Pois essa dimensão dos sonhos ela não possuem um tempo como o nosso, como bem pode perceber a sensação de tempo nos sonhos e diferente da realidade a comprovar que os sonhos assim são uma realidade em si mesma.

Páginas: 1 2 3 4 5

William Fontana
A Grande loja de Pesadelos Fatais

Daniel Ribeiro com suas credenciais capitais adentrou o recinto orientado ao desdém daqueles autistas embebidos no sono perpétuo até que o último sopro de humanidade fosse sugado, mesmo que por um momento ele tenha fraquejado ao fitar os olhos de um dos autistas se moverem num estado REM prolongado produzido por doses cavalares de drogas experimentais sem licença de uso comercial.

— Aqui, meus amigos, nesse limbo estagnante que as mentes desses pobres diabos trabalham 24 horas por dia para lhes trazerem prazeres e sensações nunca experimentadas pela humanidade. A exploração sistematizada dos universos mentais tem trazido avanços sem precedentes a ciência mental e onírica que permite ter o apoio não oficial de organizações governamentais que não possuem meios legais para o exercício experimental e científico aqui realizado.

— Agora compreendemos o motivo pelo qual as autoridades nunca os prendem. — Comentou Daniel fitando as fileiras de autistas presos em leitos verticais com plugs ligados na cabeça.

— Sim, amigos, a corrupção também é progresso! Mesmo os críticos do nazismo se fizeram valer das descobertas feitas pelos inescrupulosos cientistas nazistas em seus experimentos as custas da vida de miseráveis inúteis como esses! A maldade é a coragem de fazer o que tem que ser feito para conseguir descobertas e fazer o que nunca fizeram, o preço que esses pobres diabos pagam pela nossa gloria!

Ao finalizar aquelas palavras emolduradas por um sorriso sádico o homem parecia orgulhoso dos crimes lá feitos quando Daniel notou que os plugs iam até a coluna e o reto das vítimas por cabos que penetravam de modo cruel cada orifício natural ou não em seus corpos.

— Antes que pergunte, fique sabendo que influências feitas no intestino provam estes serem como um segundo cérebro a influenciar e potencializar as experiências de imersão cerebral onírica. Potencializadas pelo oneirocronos estamos acessando limites além realidade de horizonte no que acreditamos ser sonhos do futuro, uma fonte de dimensão mental do qual alguns acreditam ser a origem da vidência e profecias. Pois essa dimensão dos sonhos ela não possuem um tempo como o nosso, como bem pode perceber a sensação de tempo nos sonhos e diferente da realidade a comprovar que os sonhos assim são uma realidade em si mesma.

Páginas: 1 2 3 4 5